6 formas de reduzir os custos de reforma no condomínio

  • 0
  • 25 abril, 2017

Administrar o uso das garagens, o barulho dos animais e a situação dos condôminos inadimplentes não são as únicas tarefas árduas de um síndico. É preciso manter tudo em perfeita ordem e em ótimo estado de conservação, e esse é um desafio para qualquer pessoa que tenha sido eleita para administrar um condomínio.

Além da limpeza e da manutenção diária, vira e mexe, são necessárias algumas reformas no prédio, que, se não forem bem planejadas, podem gerar diversos desgastes e muita dor de cabeça.

Como o orçamento do condomínio já envolve uma série de gastos mensais, economizar nunca é demais, e evita onerar ainda mais os moradores, que, geralmente, acham que o condomínio é caro demais.

Para garantir o bom funcionamento das áreas comuns, sem que sejam necessários gastos excessivos, é preciso prestar a atenção na hora de fazer uma obra. Escolher bem a mão de obra, saber comprar os materiais, pesquisar e reaproveitar são apenas algumas dicas que podem ajudar um síndico a reduzir os custos de reforma.

Você está pretendendo fazer uma obra no prédio e precisa economizar? Então, confira as dicas que preparamos e saiba como reduzir os custos de reforma no condomínio.

1. Faça um bom planejamento e evite imprevistos

Antes de colocar a mão na massa e sair quebrando pisos e paredes, é essencial fazer um bom planejamento. Colocar no papel o projeto da obra ajuda a evitar uma série de imprevistos, além dos custos de reforma acima do valor aprovado, que podem comprometer qualquer orçamento.

Procure sempre definir a dimensão da área a ser reformada, bem como os materiais necessários. Avalie se a reforma irá mexer na parte hidráulica ou elétrica, já que ajustes nessas áreas demandam a contratação de profissionais específicos.

Além de definir a área, material e profissionais, também é importante estabelecer um cronograma, dividindo a reforma em etapas. Isso ajudará a especificar os gastos e controlá-los de acordo com o caixa do condomínio.

2. Escolha os fornecedores certos

Muitos síndicos acreditam que fazer a reforma por conta própria pode ser mais econômico, no entanto, nem sempre isso é verdade. Em termos de construção, muitas vezes, o barato sai caro, já que sem um bom projeto e materiais de primeira é impossível realizar uma obra com qualidade. Isso sem falar na mão de obra.

Pesquise bons profissionais no mercado e avalie as condições de pagamento. Às vezes, o parcelamento pode ser mais vantajoso do que contratar qualquer profissional, ou fazer a obra sozinho, e depois precisar refazer o serviço.

Estabelecer parcerias também é uma forma de conseguir descontos e reduzir os custos de reforma, ou mesmo, melhores condições de pagamento. Você pode negociar com empresas do ramo, explicando a necessidade de mais obras no prédio, por exemplo. Isso pode garantir melhores preços em razão da fidelização.

3. Pesquise preços e orçamentos

Essa é uma das melhores formas de economizar! Pesquise sempre o preço dos materiais e também o custo da mão de obra: peça orçamentos antecipadamente e compare o custo benefício.

Pedir dicas também é uma boa sugestão, já que, no caso de diversos materiais de construção, nem sempre o mais barato é o mais econômico. Um bom exemplo são as tintas. Muitas marcas que são mais baratas costumam render menos e, consequentemente, se torna necessário gastar mais comprando novas latas ou galões.

A dica de pesquisa também vale para as promoções. Avalie sempre o custo benefício antes de comprar. Afinal, não é porque o produto está com desconto que ele, necessariamente, possui uma excelente qualidade. Verifique a diferença de preços e opte por materiais mais duráveis ou que rendem mais.

4. Compre materiais de forma econômica

Existem diversas formas de economizar na hora de adquirir materiais de construção. Além de pesquisar bem, como explicamos, procure sempre pagar à vista. Isso pode garantir descontos bem maiores do que os 5% ou 10% oferecidos pelas lojas.

Outra boa dica para diminuir os custos da reforma é adquirir os materiais de uma única vez, o que facilita um bom desconto pela quantidade e até melhores condições de pagamento para o condomínio.

5. Reutilize materiais

Nem sempre é preciso comprar tudo novo. Canos e revestimentos que foram retirados de determinado ambiente, por exemplo, podem ser facilmente reaproveitados. Como as manutenções não costumam ser constantes em prédios, o ideal é manter tintas e outros materiais guardados para pequenas reformas, evitando, dessa forma, novos gastos.

No caso de utilizar mão de obra terceirizada, vale a pena checar os materiais necessários antes e ver tudo o que é possível reaproveitar e que já tem no prédio.

6. Terceirize a reforma

Como explicamos, nem sempre tocar uma reforma por conta é sinal de economia para o condomínio. Embora, em um primeiro momento, contratar uma empresa especializada custe um pouco mais, esses fornecedores costumam não atrasar nas entregas, além de garantir a qualidade dos serviços.

Muitas vezes, vale investir um pouco mais terceirizando a reforma para evitar dores de cabeça. Como as obras envolvem espaços comuns e acabam afetando o dia a dia dos moradores, o ideal é fazer uma reforma eficiente e rápida para poupar os transtornos.

Quando o tema é economizar e diminuição de custos de reforma, considere o valor global do projeto antes de colocar a mão no bolso. Além disso, não deixe de planejar cada etapa, priorizando as medidas mais urgentes.

Com essas dicas, você terá mais condições de fazer uma boa reforma, sem dores de cabeça, atrasos ou gastos inesperados, entregando ao condomínio aquilo que foi acordado em assembleia.

Gostou dessas dicas? Então, não deixe de continuar acompanhando o blog e confira como fazer uma gestão financeira eficiente das contas do prédio




Deixe seu comentário abaixo

Envie uma resposta